Os fantasmas de Goya

Em 2006, o diretor Milos Forman lança o filme Goya´s Ghosts, com título em português As sombras de Goya, como acontece com a maior parte dos filmes acredito que uma tradução literal do título seria mais interessante pois fica evidente que os horrores das guerras napoleônicas, da conduta da realeza e do clero foram os grandes responsáveis pelos fantasmas que assombraram o pintor a partir da metade de sua vida.

O elenco do filme tem Javier Bardem ,em esplêndida atuação, como Padre Lorenzo e Natalie Portman como Inês Bilbatua, uma adolescente de boa família condenada pela inquisição. Os membros da inquisição espanhola começam a discutir a possibilidade de voltarem a praticar seus interrogatórios nos suspeitos de heresia. Na época já ocorrem discussões sobre o teor da pintura de Francisco de Goya y Lucientes, pintor da Côrte Espanhola que já apresentava certo desrespeito em seu trabalho pela realeza e pelo clero. Não podendo atingir diretamente o pintor que era popular, Padre Lorenzo posando para um quadro no atelier do pintor vê a figura da jovem Inês Bilbatua e imediatamente a trata como prostituta a ser interrogada pelo Santo Ofício. Os motivos que movem padre Lorenzo são excusos e acabam por prejudicá-lo posteriormente.

A família da moça, ricos comerciantes da região, o fazem assinar uma confissão sob tortura e o ameaçam, a confissão seria entregue ao Santo Ofício caso Inês não fosse solta.

Impossibilitado de soltar a jovem, banido pelo clero, ameaçado pela família da jovem, padre Lorenzo foge para a França onde conhece as idéias revolucionárias francesas de Voltaire e outros pensadores e filósofos. Passam-se quinze anos, Inês permanece presa nos calabouços do Santo Ofício, Goya já apresenta problemas de surdez, fantasmas de pessoas de seu passado e presente que o perseguem, a revolução francesa chega à Espanha prometendo liberdade mas na verdade maltratando ainda mais o povo, condenando o clero e depondo a realeza. Todos os horrores da época foram bem tratados pelo diretor.

Padre Lorenzo volta sob a figura de um Juiz dos Direitos dos cidadãos, descobre os resquícios de seu passado, teve uma filha ilegítima na prisão com Inês, faz de tudo para encobrir isso de sua nova família e da sociedade, no fundo mantém a hipocrisia do antigo homem da igreja.

Goya segue tentando ajudar Inês como forma de ficar em paz com um de seus fantasmas, mas a verdade é que os horrores da guerra, a falta de respeito do clero com as pessoas o transformam em uma pessoa triste para o resto de seus dias.

O Roteiro é bem amarrado, o figurino simples e ao mesmo tempo totalmente condizente com o período, os atores são de excelente qualidade; mostram-se desde as mais simples tabernas do povo aos mais belos palácios. Ao longo do filme também aparecem muitas obras de arte como O Jardim das delícias terrenas de Bosch, As meninasde outro famoso espanhol- Velázquez, além de esculturas, e várias pinturas de Goya.

O diretor Milos Forman manteve um olhar interessante sobre a situação espanhola, ao que parece o filme realmente começa logo após a doença do pintor. Falando de fatos reais- em 1792 o pintor Francisco de Goya em visita à Andaluzía contrai um doença grave que o deixa paralítico, um pouco cego e surdo. Até então era uma pessoa vivaz e aventureira, mas a doença, mesmo tendo se restabelecido em 1793, o deixa permanentemente triste, assustado, introspectivo e com uma total falta de respeito pela realeza e pelo clero. Como bem mostrado no filme, mesmo recuperado,  em 1793 passa a retratar a aristocracia com desdém  mostrando seus defeitos e imperfeições, o que deixou muitos membros da côrte descontentes. Em 1810  e 1814 pinta sua série “Los desastres de la Guerra”, “El Segundo de Mayo de 1808″ e El tercero de Mayo de 1808″, pela primeira vez na Espanha a guerra era retratada sem heróis, sem glória, apenas com rostos de vítimas. Estes quadros são evidenciados no filme As Sombras de Goya.

Em uma outra atitude desafiadora Goya pinta “La maja desnuda” que se torna o primeiro nu da história da arte espanhola e que o torna execrado pela Inquisição Espanhola.

O desgosto pela guerras napoleônicas, o sofrimento do povo, o desespero social, sua degradação física e mental o fazem fechar-se em sua quinta em 1815 e pintar a série de “pinturas negras” ,  “Saturno devorando a sus hijos” que se encontra no Museu do Prado em Madri.

Morre exilado em Bordeaux na França em 1828. Uma frase deixada ilustra bem o que foram seus fantasmas -” O sono da razão produz monstros”.


O filme é outra excelente referência para quem gosta de cinema, cultura e arte. Encontrado na locadora http://www.netmovies.com.br e nas livrarias.

Esta entrada foi publicada em Cinema Espanhol e marcada com a tag , , , , , , , , , , , , , . Adicione o link permanente aos seus favoritos.